Archive for maio, 2010

Lygia Fagundes Telles

Ele fixaria em Deus aquele olhar verde-esmeralda com uma leve poeira de ouro no fundo.                                                                                              E não obedeceria porque gato não obedece. Quando a ordem coincide com sua vontade, ele atende mas sem a humildade do cachorro, o gato não é humilde, ele traz viva a memória da liberdade sem coleira.
Despreza o poder porque despreza a servidão. Nem servo de Deus. Nem servo do Diabo.
Lembro agora daquela história que ouvi na infância e acreditei porque na infância a gente só acredita.                                                                    Mais tarde, conhecendo melhor o gato é que descobri que jamais ele teria esse comportamento, questão de caráter.                                         Dizia a história que Deus pediu água ao cachorro que lavou lindamente o copo e com sorrisos foi levá-lo ao Senhor.                                       Pedido igual foi feito ao gato e o que ele fez? Escolheu um copo todo rachado, fez pipi dentro e dando gargalhadas entregou o copo na mão divina.                                                                                                                                                                                                                                             Conheço bem o gato e sei que ele jamais se comportaria conforme aquela antiga história.                                                                                                O cachorro, sim, bem-humorado faria tudo o que fez ao passo que o gato ouviria a ordem divina mas continuaria calmamente deitado na sua 14 almofada, apenas olhando. Quando se cansasse de olhar, recolheria as patas no calor do peito assim como o chinês antigo recolhia as mãos nas mangas do quimono. Elegante. Calmo. E mergulharia no sono sem sonhos, gato sonha menos do que o cachorro que até dormindo parece mais com o homem.                                                                                                                                                                                                                           Outro ponto discutível: dando gargalhadas? Mas gato não dá gargalhadas, é o cachorro que ri abanando o rabo naquele jeito natural de manifestar alegria. Os meus cachorros — e tive tantos — chegavam mesmo a rolar de rir, a boca arreganhada até o último dente. O gato apenas sorri no ligeiro movimento de baixar as orelhas e apertar um pouco os olhos como se os ferisse a luz, esse o sorriso do gato. Secreto. E distante. Nem melhor nem pior do que o cachorro mas diferente.                                                                                                                                  Fingido? Não, porque ele nem se dá ao trabalho de fingir. Preguiçoso, isso sim. Caviloso. Essa palavra saiu de moda mas deveria voltar porque não existe definição melhor para um felino. E para certas pessoas que falam pouco e olham muito. Cavilosidade sugere cuidado, afinal, cave é aquele recôncavo onde o vinho fica envelhecendo em silêncio, no escuro. Na cave o gato se esconde solitário, porque sabe do perigo das aproximações.                                                                                                                                                                                                                                 Mas o cachorro, esse se revela e se expõe com inocência, aqui estou!

Lygia Fagundes Telles
Anúncios

Fernando Pessoa

“Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens.”
Fernando Pessoa

John Pugh

 
As pinturas foram criadas pelo artista John Pugh.
São chamadas de trompe l’oeil ou algo como "truque do olho".                       
Ele trabalha em áreas residenciais e públicas,
e suas pinturas podem ser vistas em todo o mundo,
da Nova Zelândia ao Havaí.
 
 
 
 

Oscar Wilde

      “Se  um homem encara a vida
      de um ponto de vista artístico,
   seu cérebro passa a ser seu coração.”
                Oscar Wilde
         
 
    
   
           

%d blogueiros gostam disto: